28
agosto
2014

Minhas olheiras desenganadas

Postado por Ana em Geral, Pele

Quem me acompanha há mais tempo já sabe do meu “drama” com as olheiras.

  • Ana contra as olheiras
  • Olheiras Wars: a new hope
  • Luz Intensa Pulsada: na prática
  • Em busca do Alcaçuz
  • Disfarçando a olheira em um segundo
  • panda

    Cada um sabe de seu calcanhar de Aquiles de beauté, e esse é o meu. Pois bem, ano passado cheguei até a ir ao meu dermatologista de confiança só para ver se tinha indicação de preenchimento com ácido hialurônico no meu caso. Mais paliativo mesmo, pra melhorar o aspecto. E não, não tinha indicação, pois minha olheira não é funda, só MUITO pigmentada, tanto de melanina como de hemossiderina. Então tá, continuei usando muito protetor solar, óculos escuros e corretivos.

    Até que este ano minha irmã começou um tratamento de pele com uma dermatologista muito boa em estética que tem feito um verdadeiro milagre pra ela. Ela lutava há anos contra manchas e um melasma imenso adquirido na gravidez. Já tinha gasto muito dinheiro e nada funcionava. Pois fez vários tratamentos nesta dermato (caros, diga-se de passagem) mas a coisa começou a funcionar. Vendo isso, pensei: tenho que ir lá também!

    Fui então na dermatologista e ela basicamente desenganou minhas olheiras. kkkkkk Quer dizer, ela foi honesta e não me indicou nenhum dos milhões de tratamentos caros da clínica dela porque simplesmente não iriam melhorar meu quadro (ou pelo menos não por um tempo razoável). A minha olheira é genética mesmo e só tende a pigmentar mais com a idade. :( Ela me disse: use protetor solar (check!), corretivo de olheira (check!) e então me passou uma receita com vários serums ($$$) e produtos, mais visando um rejuvenecimento da pele mesmo. Mesmo os cremes que prometem clarear manchas (tipo Mela D, Dark Circles da Clinique, etc) ela disse que não iam funcionar nada.

    Mas teve uma notícia boa também: com a análise de um aparelho lá, vi que tenho muito menos rugas do que o esperado para a minha idade. Tenho sim preguinhas abaixo dos olhos, mas já tinha há anos por ser muito alérgica. Nem botox profilático (que eu também já estava a fim de fazer) ela me indicou, acreditam? Disse que dá pra esperar um pouquinho. À minha falta de rugas atribuo também a genética (meu pai tem muitas manchas – em tratamento – mas a pele muito boa em relação a rugas). Por esse lado fiquei feliz!

    rugas

    Em relação às manchas visíveis, meu rosto está ok também, graças aos lasers que fiz nos anos que se passaram. Em relação aos produtos novos que tenho que usar, joguei no carrinho da Amazon.de e entre Skinceuticals aqui e ali, a conta está dando 300 euros (quase MIL dilmas), fora o protetor solar! Portanto, ainda não decidi se vou usar tudo, se vou usar parcialmente, ou se vou continuar com os meus mesmo. Na verdade, concordo que preciso de um produto a mais que tenha vitamina C. Vou usar as amostras que ela me deu, depois faço uma regra de três para ver quanto tempo o produto normal dura, e se vale a pena criar este hábito caro. À medida que estas trocas forem ocorrendo eu divido aqui com vocês, viu?

    Sabe o que foi mais triste? Eu tinha tirado foto do “antes” das olheiras, para depois comparar com o fim do tratamento imaginário. Mas é a vida… continuo igual ao “antes” kkkk

    Eu tenho ouvido falar de novos tratamentos de olheira em clínicas de laser por aí, mas ninguém sabe ainda o efeito a longo prazo. Por isso, destes eu nem vou atrás. Saúde ainda fala mais alto, claro.

    Beijos da agora eterna blogueira olheiruda oficial de vocês!

    21
    agosto
    2014

    Moda blogueira: é uma cilada, Bino

    Postado por Ana em Moda

    Parece o sujo falando do mal lavado, mas não comprem tudo o que vocês vêem sendo sucesso absoluto no mundo dos blogs. Quer dizer, compre se você gostar genuinamente e não se importar de ficar “fora de moda”. Pois geralmente, quanto mais estrondoso o sucesso, mais são coisas muito de fase, que ficam tão marcadas que nem as próprias blogueiras usam mais depois de passado o frisson inicial. A “vítima” da vez são esses óculos de gosto duvidoso da Dior (“So real”):

    diorsoreal

    Uma a uma, vejo cada it blogger que sigo no instagram adquirindo os óculos do momento. Dá até pra perceber uma sequência lógica de quem influenciou quem. Geralmente as modas começam “na gringa” com a Chiara Ferragni e/ou uma celeb poderosa tipo Rihanna ou Olivia Parlermo e a primeira brasileira a usar costuma ser a Thássia. E, uma a uma, veremos como em alguns meses, assim como começaram a usar, elas nunca mais o usarão de novo. Mas ok, é o trabalho delas, faz parte trocar sempre e usar as tendências do momento. Não é usando jeans e camiseta que elas serão convidadas pros FHITS da vida. Sem contar que muitas vezes ganham as peças de presente. Mas atenção: para nós é uma cilada, Bino!

    bino

    Outros exemplos de moda fugaz que lembro por alto:

    Prada Baroque

    baroque

    Esta já sumiu há uns dois anos. Eu ainda acho lindo e criativo, mas it que é it não usa mais, it’s so last season! Eu quase comprei mês passado, *a_atrasada* mas como meu marido achou MUITO feio, deixei pra lá.

    Bolsa Céline Luggage

    celineluggage

    A famosa bolsa com “a carinha” da Céline. Foram tantos inspired feitos à exaustão e foi uma compração coletiva tão desenfreada, que sei de it que deve se coçar toda só de se ver em fotos de 2012 usando uma dessas orgulhosamente. Os modelos “mini” ainda sobreviveram um pouco, mas logo sumirão também. Confissão: eu cheguei a colocá-la na minha lista de desejos! ¯\_(ツ)_/¯

    Bolsa Alexa da Mulberry

    alexa

    Gente, essa foi um dos primeiros booms influenciados por blogs! Estamos falando de 2010! Hoje em dia deve ter fashionista que prefere a morte lenta a ser fotografada com uma assim. Só para constar: aceito doações dessas “relíquias” todas, haha! Não tenho o menor preconceito em usar “velharia”!

    Os bandage dresses do Hervé Léger

    herve

    Hoje quem usa os tubinhos é Val Marchiori e olha lá. Pras outras ricas no máximo os modelos de saia mais larguinha passam no crivo.

    Não podemos nos esquecer de algumas outras esquisitices que ninguém nunca mais ouve falar:

    exmodas

    Clogs da Chanel, Brazeeel! Quem lembra? hahahaa…

    lalaclog

    Essas aí eu dispenso doações, obrigada. Sério, leitoras, contem pra Tia Ana:

    LCWONKA

    Para terminar, minhas “apostas” de morte fashion iminente:

    Os sapatos “Rockstud” do Valentino (apesar que estão durando bem) e a Gucci Soho Disco Bag. Esta eu já quis muito, aliás, mas achei feia ao vivo e acabei comprando um modelo um pouco diferente. E, por fim, se é que já não andam meio sumidos, os flat bicolores da Chanel, e também as alpargatas. Quem tem um Arezzão bicolor, levanta a mão. o/

    next

    Por isso, minhas amigas, quando se trata do nosso dinheiro *suado* de mulheres normais, avaliar bem antes de comprar as coisas nunca é demais. Se for caro, que seja algo que usemos independente de estar in ou out!

    E vocês, quais modas seguiram? De quais não se arrepedem? O que não tem muito futuro na sua opinião!?

    Beijos!

    20
    agosto
    2014

    Testei: Scholl Express Pedi

    Postado por Ana em Pés

    Em relação aos cuidados com meu pé, eu sou de fases mesmo. Tem épocas que animo de passar creminhos, tem época que o saco *BUM* estoura, haha! E se eu não cuido, ele fica muito ressecado e grosso na parte interna porque minha pisada é “para dentro“. E o uso de salto + polvilho antisséptico da Granado só pioram o problema.

    Mas o que me fez virar a_louca_do creminho nos últimos meses foi um motivo diferente: meu sofá novo tem um tecido que ficava roçando no calcanhar. Sabe croc-croc? Aiiiiiii que gastura! Eu até colocava uma mantinha entre o meu pé e o sofá pra não ter essa sensação. E unicamente por esse motivo *de gente doida* tirei força das minhas profundezas para reforçar o uso de cremes – estava usando um creme da Balea manhã e um creme da Scholl antes de dormir, mas ainda ficava alguma coisa roçável. Comprei várias lixas também, mas nenhuma era boa e só me davam mais gastura ainda.

    cremespe Eu achei o da Balea ótimo e é muito mais barato, então vou seguir usando só ele quando o Scholl acabar.

    Fui então na Saturn, que é uma loja de eletrônicos famosa na Alemanha, para comprar um termômetro de orelha para minhas sobrinhas. E como sempre acontece, eu vou comprar X e volto pelo menos com X+Y+Z! :) Eu fui na área de “coisas eletrônicas de beleza” (irresistível), vi este aparelhinho Express Pedi da Scholl e fiquei, sem brincadeira, uns 5 minutos com ele na mão decidindo se levava ou não. Isso porque achei bem caro, uns 120 reais para produto de pé, na minha concepção é coisa pra caramba. Eu fiquei com raiva que ele entrou na promoção logo depois, e agora custa 29 euros na Amazon. :(

    pedi

    E aquelas palavrinhas mágicas da embalagem “removedor PROFISSIONAL de queratina em casa” me seduziram e acabei levando. Lembrei da fortuna que cobram em sedes da Dr Scholl para este tipo de cuidado e concluí que se fosse bom mesmo valeria a pena.

    Pois levei para casa e após o primeiro banho, com o pé super enxuto e antes de passar creme fui correndo testar. Ele funciona com duas pilhas pequenas mas é bem leve e ergonômico. Na embalagem fala para não insistir em tirar tudo de uma vez, mas sim ao longo de dias. Ele tem um rolinho que roda quando você liga o botão, e a sensação de “lixamento” é muito leve. Não é aquela pressão de quando passamos lixa, sabe? Tem um dispositivo de segurança – se você pressiona muito, ele para de rodar (mas eu nem sei como algo assim poderia machucar o pé). Achei meio suspeito, mas só vi que ele estava funcionando ao ver os pozinhos beeeeem fininhos de queratina.

    scholl Vocês não têm nojo disso não, né?

    E, não, ele não remove aos montes em um só uso. Parei por ali, passei o creme e comecei a repetir 3 vezes por semana. Resultado: após uns 5 usos meu pé ficou incrível e FINALMENTE parou de roçar no sofá. Objetivo maluco do dia: check! E, depois dele, só estou usando creme uma vez por dia, após o banho. Fiquei aliviada de não ter jogado 40 euros no lixo! Ah, o “rolinho azul” é vendido também separadamente para quando ficar velho, mas acho que dura muito, viu?

    lcrate5

    Em tempo: não vi vendendo do Brasil ainda. Existe também uma versão chamada Velvet smooth, mas esta eu não testei (e nem vou testar, porque né).

    Eu cheguei a tirar fotos de antes e depois do meu pé, mas dada a quantidade de tarado nojento com mania de pé que já chega ao blog por causa do meu post de pé gordo, achei melhor não colocar. ECAAAAA!!! Aliás, se tem algum tarado nojento lendo este post, fora, xispa, vade retrum!

    E vocês, têm algum cuidado especial com os pés?

    Beijos!

    18
    agosto
    2014

    O vídeo que me fez pensar

    Postado por Ana em Coisas da Ana

    Muita coisa mudou desde que a internet começou a ter papel tão importante em nossas vidas. Coisas boas vieram aos montes (se não fosse ela eu não sabia nem picar cebola), mas vieram coisas ruins também, não se pode ter tudo. A invasão de nossa intimidade por escolha própria ou não, a necessidade de aparecer e bisbilhotar ao mesmo tempo. Tem gente que se for para viver algo lindo sem poder mostrar em redes sociais até prefere ficar quietinho em casa. Taquicardia, falta de ar naquele momento em que se está de frente à Torre Eiffel mas sem nenhum artifício tecnológico para “provar” que aquele momento aconteceu. Mas.. provar para quem!?

    Por causa do meu círculo de amizades/meio, acreditem, eu sou disparada a “pessoa mais tecnológica” que conheço ao vivo. Tenho até que me policiar para não virar “a chata do celular na mão” e o registro de um jantar romântico com meu marido tem potencial de virar problema conjugal (been there, done that). Tenho algumas amigas que NUNCA tiveram uma rede social sequer – nem Orkut, nem Facebook, nem Twitter, nem Instagram e nunca sentiram falta disso. São pessoas igualmente divertidas e interessantes. As redes sociais nos amarram a elas vendendo a idéia de que “estaremos por fora” se não fizermos parte. Eu, que sou expatriada então, já tentei deixar e não consegui, sempre penso “mas e como ficarei em contato com ciclano, fulano?”. No fundo eu sei que quem me importa de verdade eu acho por outros meios, mas… é tão difícil!

    lisb

    E um ponto do vídeo é claro: ninguém gosta de ouvir reclamações ou tristeza. Quer dizer, todo mundo é meio abutre-curioso quando se trata de tragédia de grandes proporções, mas no geral, o povo quer é ver luxo, riqueza, inteligência, beleza. Se não fosse assim, os cafés-da-manhã das novelas não seriam tão maravilhosos. Isso gera uma visão enviesada da realidade de quem conhecemos mas não acho que, ao dividirmos só o que é bom, o fazemos por mal. Só que isso em mentes férteis gera espaço para muita insatisfação com a própria vida. Eu mesma já me peguei resmungando ao ver fotos de ciclana boiando na água morna do Tahiti enquanto eu ia trabalhar nos fundos de uma igreja velha com telhas de amianto sob o sol feroz de Santa Luzia. Acontece!

    Sobre o vídeo, levanto dois pontos:

    1) Eu não gosto muito da idéia de sentir feliz e aliviado vendo o vídeo por saber que “ah, bom, quer dizer então que fulano não é tão feliz coisa nenhuma, ufa!”. A vida do Ciclano é uma maravilha? Que bom pra ele. O sucesso do outro não deve nos incomodar, se incomoda há algo a mudarmos em nós.

    2) A segunda questão é que, realmente, vida perfeita não existe. Para começar, é difícil ter todos os fatores externos aclamados pelo mundo ocidental em consonância: dinheiro, beleza, amor, saúde, top carreira, top família, juventude e inteligência. Segundo, ainda que você possua tudo isso, sempre haverá o risco de perder qualquer um desses, é um risco incontrolável que, por si só, pode levar muita gente à depressão. Resultado: “vida perfeita” mesmo só tem aquele que cultiva a alegria dentro de si, por mais piegas e clichezão que isso possa parecer. Chame a alegria interna de Deus, de consciência, de fluoxetina – não importa. O que importa é que ela deve vir de dentro. Lembrando que estômago roncando não deixa ninguém ser feliz, então o equlilíbrio é a chave de tudo.

    velakarben

    Finalizo batendo em uma tecla importante: estou longe de ser life coach e muito, MUITO longe de ter uma vida perfeita (por dentro ou por fora) ou de ser perfeita. Nem precisa cafungar muito minha vida para saber disso… Aliás, nada mais pesado do que ter nas costas a obrigação de ser perfeita – tô fora. E está bem assim. :)

    O vídeo me fez pensar não no sentido de que “ninguém é tão perfeito quanto parece”, pois isso eu já sabia. Mas me fez perceber melhor o potencial destrutivo das redes sociais e, estando no meu papel de blogueira (ainda que de meia-tigela) me senti na obrigação de dividir esses pensamentos.

    O que vocês acham dessa história toda?

    Beijos imperfeitos

    16
    agosto
    2014

    Como se convencer a usar protetor solar todos os dias?

    Postado por Ana em Pele, Saúde

    Quem não se convenceu com aquele vídeo famoso há mais de uma década, destruído consagrado na voz de Pedro Bial, tenho certeza que vai pelo menos se assustar com este:

    O objetivo do post é ajudar quem não tem este hábito a criá-lo o quanto antes.

    Dicas práticas

    1) Experimente várias marcas (de preferência que seu dermato sugeriu) até chegar ao protetor que mais funciona para a sua pele. Comprar um protetor que a deixa oleosa ou que atrapalha a maquiagem pode ser um grande desestímulo! Lembre-se: FPS a partir de 30!
    2) Se proponha a usar o protetor todo santo dia por três meses. É este o tempo que você vai precisar para criar um novo hábito. Depois disso você não vai querer sair sem. Isso vale mesmo se for ficar em casa, pois as lâmpadas de casa e até mesmo o computador podem ter efeito nocivo para a pele.
    3) Ao receber um raio de sol no rosto sem proteção, pense no vídeo acima e nas consequências de não usar o protetor!
    4) Faça um tratamento contra as manchas no dermatologista, que você vai dar muito mais valor a sua pele e não vai querer que o esforço $$ seja em vão.
    5) Trace um objetivo que esteja próximo a você, exemplo: não quero ficar com manchas.
    6) Se tiver filhos, faça com que eles criem este hábito o quanto antes. Mas não se esqueça: se você não der o exemplo nem adianta esperar isso das crianças.
    7) O ideal é reaplicar na hora do almoço, mas se isso for muito difícil, deixe para criar este hábito depois. Uma sugestão (mas não é a mesma coisa) é retorcar a maquiagem no almoço com uma base-pó com FPS!

    portogalinhas

    A minha história com o protetor solar

    Eu não tive exemplo de usar protetor solar em casa, aliás acho que nos anos 80/90 não havia tanta consciência dos danos do sol como hoje! Por isso, o estrago na minha pele só não foi maior porque não moro em cidade praiana, senão teriam sido anos e mais anos tomando banho de sol direto sem proteção. Eu ia fazer limpeza de pele vez ou nunca e a esteticista sempre me recomendava um filtro solar, mas eu não conseguia introjetar aquilo e usava por no máximo uma semana. Eu lembro direitinho de quando consegui estabelecer rotina e foi apenas em março de 2007. Não houve nada específico que criou essa necessidade, mas eu lembro de me esforçar para criar o hábito. E dito e feito: sair do banho sem passar protetor solar é igual entrar no carro e não colocar o cinto de segurança. O protetor que eu acho perfeito para a minha pele só achei há 3 anos, após experimentar vários (é o Minesol Actif Unify 60 da ROC), mas isso varia com cada um. A base com cor também oferece uma proteção extra (a barreira física da cor) mas nunca gostei de base junto com protetor solar, então uso os dois separadamente.

    Óculos escuros, chapéu, sombrinha

    Outra coisa que o vídeo também mostra é que usar óculos escuros (de qualidade, com proteção UV) também é super importante! Eles protegem não só a pele ao redor dos olhos, mas os próprios olhos também! Veja alguns posts do blog relacionados:

    - Por que não devemos comprar óculos escuros em qualquer lugar?
    - Pterígio – o que é, como evitar, como tratar
    - Ana contra as olheiras

    E, se querem saber, eu acho uma tristeza chapéu ser uma coisa considerada “estranha” hoje em dia. Minha vontade era sair de chapéu todo dia, kkk! Isso pra não falar na sombrinha, né? Eu lembro que em Brasília o pessoal se protege com sombrinha de boa, mas aqui em BH a não ser que seja o sol mais forte do ano, todo mundo olha com estranheza. Aliás, bora cada um cuidar da sua vida, people? :)

    chapeu

    Motivos para usar o protetor solar são:

    Proteger de doenças de pele, do envelhecimento precoce e de manchas. Como tudo na vida, precisamos pensar em um objetivo próximo a nós. Você não vai convencer uma menina de 10 anos a usar protetor falando que ela vai ficar “velha rápido”, pois aquilo é tão distante! A minha motivação imediata foram as manchas – eu hiperpigmento com qualquer coisa! E, depois que fiz sessões de laser no dermatologista, ficou claro que não quero aquele esforço ($$) em vão.

    Diferenças culturais

    Eles têm o péssimo hábito na Alemanha de ignorar a proteção solar no dia-a-dia. Eles usam quando vão pra praia, e olhe lá. E se engana quem acha que lá não tem sol. No verão, por exemplo, tem muito mais que BH! E lá é o contrário, quando o sol sai, muitos acham um “desperdício de sol” você se proteger dele. E pior ainda: no inverno é super, super comum mesmo, que eles procurem aquelas câmaras de bronzeamento artificial (com UV!!!). Eles têm, com certeza, muito a aprender comigo, hehe!

    peburn

    Beijos!

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    Página 1 de 3123